Ministério Público conclui investigações sobre corrupção no Serviço Municipal do Luto em Divinópolis

6 de dezembro de 2018 as 14:14

O Ministério Público de Minas Gerais concluiu as investigações da Operação Thanatos, que investigou denúncias de que agentes funerários do Serviço Social do Luto em Divinópolis, indicavam aos familiares dos falecidos uma floricultura, também envolvida no esquema. Os valores eram divididos entre os servidores e funcionários da empresa, pré-definida. O prejuízo foi calculado em aproximadamente R$300 mil.

As investigações tiveram início em março de 2016 com denúncias de vendas de túmulos com valores superiores aos convencionais por agentes funerários do Serviço de Municipal de Luto.

Ainda em março, a Prefeitura de Divinópolis anunciou o afastamento dos servidores suspeitos. Com os trabalhos concluídos, o Promotor do Ministério Público, Gilberto Osório, afirma que existem provas suficientes para propor ações de natureza penal e improbidade administrativa.

A Polícia Civil também investiga o não repasse de recursos pela venda de túmulos no cemitério do bairro Parque do Espírito Santo, no bairro Jusa Fonseca. Três pessoas, que teriam sido remanejadas para a  Secretaria Municipal de Operações Urbanas, estão sendo investigadas. O dinheiro da venda desses jazigos não teria sido repassado ao município. As pessoas que compraram os túmulos estão fora do inquérito, por desconhecerem as irregularidades das vendas.

De acordo com a Delegada responsável pelo caso Juliene Lopes, um laudo que está sendo apurado pela perícia contábil, é aguardado. Através dele, será possível concluir o envolvimento ou não dos servidores, que caso sejam condenados, podem pegar até 12 anos de prisão.