NO AR:

23h às 0h


Ouça agora!
Baixe nosso Aplicativo


Croácia atravessa caminho do Brasil em uma Copa pela terceira vez




A partida entre Brasil e Croácia desta sexta-feira (9) é o terceiro encontro entre as equipes em uma edição de uma Copa do Mundo. Porém, a partida programada para começar às 12h (horário de Brasília) no Estádio Cidade da Educação é a primeira em uma fase eliminatória da competição.

Como vários países do Leste Europeu, o território da Croácia foi alvo de disputas ao longo dos séculos. Até o fim da Primeira Guerra Mundial, os croatas ainda estavam sob o jugo do Império Austro-Húngaro. Como se sabe, aliados da Alemanha no conflito de 1914 a 1918, o império se esfacelou e os croatas se fundiram numa junta com eslovenos e sérvios, formando a Iugoslávia, que existiu durante quase todo o século XX. Até que, com a implosão do socialismo nos anos 1990, as diversas repúblicas que formavam a Iugoslávia (Bósnia Herzegovina, Montenegro, Eslovênia, Sérvia, Croácia e Macedônia) foram conseguindo sua independência. A Croácia, então, comemora o dia 25 de junho de 1991 como a data na qual se tornou um Estado livre.

No ano seguinte, a Croácia se filiou à Fifa e passou a disputar competições mundiais. É evidente que o futebol logo se tornou importantíssimo para a criação de uma identidade e orgulho nacional, ainda mais quando, logo em sua primeira participação em Copas (na França, em 1998), a equipe da camisa quadriculada surpreendeu o mundo ao terminar em terceiro lugar, passando por cima de potências como Romênia, Alemanha e Holanda. Mais que isso, Davor Suker, à época atacante do Real Madrid (Espanha), se tornou o artilheiro da competição com 6 gols.

Desde então, ultrapassar as eliminatórias europeias passou a ser corriqueiro e a Croácia só ficou de fora da Copa de 2010 (África do Sul). Para melhorar o retrospecto, os croatas foram vice-campeões no Mundial de 2018 (Rússia).

Atualmente, a seleção comandada por Zlatko Dalic (mesmo treinador do vice-campeonato de 2018) tem quatro jogadores do Dinamo Zagreb, um do Osijek, um do Hajduk Split (três times tradicionais croatas) e o restante atua em outros países da Europa, principalmente Alemanha, Espanha e Itália.

A história dos confrontos com o Brasil em Copas se resume a duas partidas, sempre na primeira rodada da fase de grupos. Em 2006, em Berlim (Alemanha), a seleção venceu por 1 a 0, gol de Kaká no finalzinho do 1º tempo, num jogo em que o quadrado mágico (formado por Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Adriano e Ronaldo) não funcionou como o técnico Carlos Alberto Parreira esperava.

Depois, na abertura da Copa de 2014, no estádio do Corinthians, diante de 62 mil torcedores, a Seleção venceu por 3 a 1. É verdade que saiu atrás do placar, com o famoso gol contra do lateral-esquerdo Marcelo, mas virou a partida com dois gols de Neymar (um de pênalti inexistente cavado por Fred) e o terceiro de Oscar.

Antes da Copa de 2018, brasileiros e croatas fizeram um amistoso em Liverpool (Inglaterra) e a seleção venceu por 2 a 0, com gols de Neymar e Roberto Firmino. Naquele momento, parecia claro que o Brasil era candidato ao título na Rússia e que a Croácia ficaria pelo caminho no Mundial. A história todo mundo sabe, eles foram vice-campeões e a seleção de Tite terminou em sexto lugar.

Agora, com seis remanescentes daquele amistoso (Alisson, Danilo, Thiago Silva, Marquinhos, Casemiro e Neymar) de um lado e, coincidentemente, seis croatas que estavam em campo naquele dia (Vida, Brozovic, Modric, Kovacic, Perisic e Kramaric), chegou a hora de o Brasil superar essa nova potência do futebol europeu, desta vez numa fase de quartas de final.

Receba as reportagens da Sucesso FM em primeira mão através do nosso grupo de WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/F3tyPwbXiNPH7QMqKpGv06


Mais Notícias


Nossos Programas



Super 8
Breaking News
Tarde Legal

Av. 21 de Abril, n° 360, Salas 101 e 102
Centro - Divinópolis/MG
Tel: 37 3229-9393