NO AR:

12h às 13h


Ouça agora!
Baixe nosso Aplicativo


Erros de 2020 se repetem e Cruzeiro mostra que não aprendeu lições




O Cruzeiro tem mais três compromissos até o término da temporada 2021, contra o Vitória (Salvador), Sampaio Corrêa (São Luiz) e Nático (Belo Horizonte). Sem qualquer chance de acesso à Série A do Campeonato Brasileiro, e também fora de risco de rebaixamento, segundo o departamento de matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Raposa trabalhará para melhorar sua posição na tabela de classificação e deixar para trás coincidências que assombram. 

Em 2020, o Cruzeiro terminou a disputa da Série B na 11ª posição, com 49 pontos em 38 jogos (39 gols marcados e 32 sofridos). Neste ano, ainda faltando três rodadas para o fim da Segundona, a Raposa está em 10º, com 46 pontos conquistados (41 gols marcados e 40 sofridos), na mesma faixa da classificação. 

A situação atual da equipe é praticamente um espelho do que ocorreu no ano passado. E não apenas pela questão dentro de campo, que de fato é bastante semelhante. Outros quesitos fazem com que o Cruzeiro viva praticamente um dèja-vú, como a troca de treinadores, problemas financeiros (salários atrasados) e o desempenho ruim como mandante, por exemplo.

Técnicos

O Cruzeiro foi comandado por quatro técnicos — e um treinador interino — entre 2020 e o início de 2021, lembrando que a temporada anterior invadiu este ano por causa da paralisação pela pandemia da Covid-19. 

O clube iniciou 2020 com Adilson Batista, que havia sido rebaixado com a equipe em 2019, e depois contratou Enderson Moreira, Ney Franco, Felipão, e teve Célio Lúcio como treinador temporário após a saída de Luiz Felipe Scolari — já em fevereiro deste ano –, na reta final da Série B.  

Situação que se assemelha ao que ocorre atualmente. Neste ano o Cruzeiro está no terceiro treinador, já que iniciou com Felipe Conceição, passou por Mozart Santos até chegar em Vanderlei Luxemburgo. Portanto, em um ano o clube teve sete técnicos e um interino. 

Campanha como mandante

O Cruzeiro tem a quinta pior campanha como mandante na Série B do Campeonato Brasileiro neste ano. A Raposa conquistou apenas 24 pontos de 54 disputados, somando 44,4% de aproveitamento. O time celeste supera apenas as equipes que estão na zona de rebaixamento, Confiança (21), Vitória (19), Brasil de Pelotas (18) e Londrina (17).

E essa é mais uma coincidência negativa em relação à campanha estrelada do ano passado, já que em 2020 o Cruzeiro também foi o quinto pior como mandante, com 25 pontos em 19 jogos (43,9% de aproveitamento). 

Salários atrasados

Desde 2019 a Raposa passa por graves problemas financeiros. A dívida que se aproxima de R$ 1 bilhão causa efeito dominó no administrativo do clube. Salários frequentemente estão atrasados e a atual diretoria tem recorrido a empréstimos com empresários para tentar honrar compromissos básicos.

Por não cumprir promessas ao técnico Felipão no ano passado, uma dessas o pagamento de salários em dia, o treinador acabou deixando o clube. E neste ano acontece o mesmo, sendo que para Vanderlei Luxemburgo aceitar o convite celeste houve a garantia de que os vencimentos de funcionários e atletas seriam pagos em dia. O que não acontece.

Os salários de outubro ainda não foram pagos e o atraso já soma seis dias. E cerca de R$ 9 milhões precisaram ser empenhados recentemente para findar alguns débitos importantes. 


Mais Notícias


Nossos Programas



Baixa a Aguia
Segunda Categoria
Super 8
Breaking News
Tarde Legal

Av. 21 de Abril, n° 360, Salas 101 e 102
Centro - Divinópolis/MG
Tel: 37 3229-9393