Ex-médico da Seleção Brasileira revela que Carlos Alberto Parreira superou câncer

Técnico tetracampeão mundial superou um Linforma de Hodgkin após passar por sessões de quimioterapia nos últimos meses

Personagem histórico da Seleção Brasileira, o técnico Carlos Alberto Parreira, de 81 anos, está curado do câncer. A informação foi revelada nesta segunda-feira (27), pelo ex-médico da CBF, José Luiz Runco.

“Ele está curado. Do problema, em si, curado. Agora é recuperar o todo. Ele tá evoluindo. O tratamento foi feito normalmente, dentro dos protocolos dos profissionais. Está voltando à vida normal, saindo”, disse Runco, em entrevista ao UOL.

Técnico do tetracampeonato da Seleção Brasileira, em 1994, nos Estados Unidos. Nesse domingo (26), durante o evento Futebol Solidário, no Maracanã, Parreira afirmou que se sente muito bem. O treinador tratava um Linfoma de Hodgkin.

Durante conversa com o apresentador Luciano Huck, da TV Globo, Parreira foi aplaudido por torcedores no Maracanã e se emocionou.

Luta de Parreira contra o câncer

A doença de Parreira é a mesma do ex-jogador de vôlei Pampa, e foi confirmada em 12 de janeiro pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), em um comunicado oficial.

“A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vem informar, em nome da família do ex-treinador da Seleção Brasileira Masculina de Futebol, Carlos Alberto Parreira, que, após o diagnóstico de linfoma de Hodgkin, ele está há quatro meses em tratamento quimioterápico e vem apresentando excelente resposta”, publicou.

O comunicado foi divulgado após o ex-treinador comparecer a um evento público bastante magro e debilitado.

Sintomas e chance de cura do Linfoma de Hodgkin

O linfoma de Hodgkin atinge o sistema linfático, uma das partes do sistema imunológico. O nome do tipo de câncer é uma homenagem ao médico Thomas Hodgkin, que fez o diagnóstico de um paciente com a doença em 1832.

O linfoma de Hodgkin acomete o sistema linfático e imunológico de forma ordenada, através dos vasos linfáticos. O tumor aparece predominantemente na região do pescoço e do tórax.

Por isso, é fundamental ir a um médico ao notar o aparecimento de carocinhos nessas duas regiões.

Os sintomas variam de acordo com a localização do tumor, mas podem incluir:

febre
calafrios
tosse
cansaço
dificuldade para respirar
perda de peso
suores noturnos
coceira na pele
pele seca
aumento do baço

Cura e incidência maior em homens

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a maioria dos pacientes se cura com os tratamentos disponíveis, mas é importante o diagnóstico precoce.

Este tipo de câncer pode ocorrer em qualquer faixa etária, mas é mais comum entre adolescentes e adultos jovens (15 a 29 anos), adultos (30 a 39 anos) e idosos (75 anos ou mais).

Os homens têm maior propensão a desenvolver o linfoma de Hodgkin.