Filho de empresário divinopolitano vai a júri popular por provocar morte no trânsito

Vai a júri popular amanhã (16) o estudante e administrador de empresas Gustavo Henrique Oliveira Bittencourt. Ele é acusado de provocar o acidente que matou o empresário Fernando Felix Paganelli, em 1º de fevereiro de 2008. O jovem é filho de um empresário divinopolitano.

Segundo a denúncia, Gustavo dirigia na contramão e em velocidade acima do permitido pela Avenida Raja Gabaglia, em Belo Horizonte. Ele bateu no veículo do empresário e fugiu do local. Depois, foi encontrada uma lata de cerveja amassada dentro do carro.

O acusado foi preso no mesmo dia do acidente e solto no final de março de 2008, após liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendendo a prisão preventiva. O julgamento de amanhã será presidido pelo juiz titular do II Tribunal do Júri, Glauco Soares Fernandes, e está marcado para 8h30.

Gustavo é filho de José Donizete Bittencourt, empresário da siderurgia que morreu em 2014 e era conhecido como Zé Melão. O trâmite do processo foi marcado por nove anos de batalhas judiciais, nas quais a defesa tentava mudar a denúncia de homicídio simples para homicídio culposo, e evitar o júri popular.

A família da vítima ganhou na Justiça, em 2012, uma indenização de R$ 450 mil reais por danos morais e ainda recebimento de pensão, a ser paga pelo réu e pela empresa dona do veículo. Com informações do Tribunal de Justiça de Minas e do jornal Estado de Minas.