Período de férias pede atenção redobrada para evitar afogamentos

O verão, aliado às férias, requer cuidados para evitar acidentes, dentre eles, os afogamentos. Com o calor da estação, aumenta a procura por cachoeiras, rios e lagos. De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, a ingestão de bebidas alcoólicas é um dos principais causadores de morte por afogamento em adultos.

Saber nadar não é, por si só, uma condição para que um afogamento seja evitado. A recomendação é que a pessoa sempre vá acompanhada e faça um prévio reconhecimento do local. O ideal é não se arriscar. Caso a pessoa presencie uma pessoa se afogando, deve manter a calma e procurar lançar algum objeto como galhos, uma corda ou boia para que a pessoa se agarre nele e tenha condições de ser puxada para a margem. A corporação já registrou diversas situações em que pessoas que tentam auxiliar outras sem o devido conhecimento e habilitação acabam tornando-se vítimas também. 

Outro ponto de atenção deve ser com as crianças que devem estar o tempo todo sob a supervisão de um adulto. Nas casas e condomínios, devem ser adotadas medidas extras de segurança como grades em volta da piscina e também cobri-las para evitar as quedas de crianças.

Somente de janeiro a novembro de 2016, foram registrados 512 atendimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros. Além das operações desenvolvidas nos principais locais de grande concentração de banhistas no estado, a corporação também investe na informação para diminuir o número de afogamentos.

Piscinas

As piscinas são grandes atrativos para crianças. Por isso, estes locais devem ser devidamente isolados com barreiras físicas como grades e muros, e guarnecidas com portões que se fecham automaticamente. Os ralos do sistema de bombeamento e filtragem devem ser seguros para evitar sucção de cabelos, por exemplo. Outra dica importante é não utilizar objetos de vidro nas imediações das piscinas.

Praias

É preciso ensinar as crianças o significado de toda a sinalização, como placas e bandeiras feitas pelo guarda-vidas ou bombeiro militar. Em locais desconhecidos, o ideal é consultar o guarda-vidas sobre o local, identificando assim as áreas mais seguras e adequadas para o banho.

Cachoeiras

Estes locais costumam ter muitas pedras soltas e a presença de limo (lodo), que deixa o local escorregadio e propício às quedas. Além disso, não é recomendado saltar em locais desconhecidos, pois, em caso de choque, há um grave risco de lesões na coluna vertebral, braços e pernas, que podem deixar sequelas gravíssimas.

Fonte: Agência Minas