Pipas presas na rede elétrica deixam mais de 100 mil mineiros sem luz em apenas quatro meses

Em 2023, a Cemig registrou 2.837 ocorrências causadas por pipas, que prejudicaram 760 mil clientes. Na RMBH, foram 1.292 ocorrências, que interromperam o fornecimento de energia de quase 430 mil residências.

A Cemig reforça a urgência por cuidados para que não ocorram acidentes, que podem matar.

O técnico de Segurança do Trabalho da Cemig, Cesar de Jesus Souza, orienta que a brincadeira de soltar pipas não deve ser realizada em áreas urbanas. De acordo com o especialista, a prática deve ser feita em áreas abertas e distantes da rede de distribuição da companhia.

Cesar Souza alerta que nunca se deve tentar resgatar pipas presas na rede elétrica, pois o risco de acidentes é muito grande.

As redes de distribuição, de transmissão e as subestações da Cemig são construídas dentro dos padrões das normas técnicas brasileiras, com características e distanciamentos que são seguros. Dessa forma, a aproximação indevida e o uso de cerol e linha chilena têm sido os motivos dos principais acidentes com a rede elétrica da companhia“, alerta Cesar.

Por isso, o especialista pede consciência aos pais e jovens para evitar a soltura de pipas em ambientes próximos da rede da Cemig e também não utilizar, em hipótese alguma, as linhas cortantes. “As consequências das ocorrências podem ser catastróficas para um hospital, por exemplo”, adverte o técnico da empresa de energia.

Outro risco é que o uso do cerol pode transformar uma simples linha de papagaio em um material condutor e provocar choque elétrico ao entrar em contato com a rede. Além disso, Cesar Souza conta que muitas crianças amarram pipas com arames e fios. “São materiais altamente condutores e que acabam sendo energizados quando tocam os cabos da rede de energia, causando o choque elétrico”.

As linhas cortantes também causam perigo a outras pessoas. “Quando alguém utiliza uma linha cortante ela pode cortar os cabos de energia e causar acidentes graves para quem está brincando ou com outras pessoas. Nunca se deve usar cerol ou linha chilena neste tipo de brincadeira”.

A lei 23.515/2019 proíbe cerol ou linha chilena em Minas. A legislação veda a comercialização e o uso de linha cortante em pipas, papagaios e similares, estabelecendo multa para quem for flagrado. A autuação varia de R$ 5.279,70 a R$ 263,98 mil (em casos de reincidência).

Quando a linha cortante apreendida estiver em poder de uma criança ou adolescente, os pais ou responsáveis serão notificados da autuação e o caso será comunicado ao Conselho Tutelar.