Prefeitura afasta Febre Amarela como causa da morte de dois macacos em Divinópolis

Dois macacos mortos foram encontrados em Divinópolis, porém sem evidência de morte por febre amarela, segundo a Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Os animais foram recolhidos de dois pontos bem distintos da cidade, um na semana passa e outro na última segunda (13).

Segundo a Prefeitura, o primeiro foi encontrado no bairro Niterói e o segundo no Centro Industrial. Os corpos dos dois primatas foram enviados para a Gerência Regional de Saúde apurar a causa da morte pelo Controle de Zoonoses de Belo Horizonte, conforme nota divulgada ontem (14) pela Semusa.

O comunicado diz que a suspeita inicial é de que os bichos morreram de três possíveis causas: morte natural, queda ou choque elétrico. Até o fim da tarde de ontem (14) ocorrência não tinha provocou a inclusão de Divinópolis na lista estadual de cidades com rumores de morte de macaco por Febre Amarela.

São 15 os municípios da Superintendência Regional relacionados, o que significa que não foi possível atestar a causa da morte dos primatas pela doença. Tapiraí tem um caso em investigação e Japaraíba confirmou uma morte de macaco pela febre. São Roque de Minas, que também fica no Centro-Oeste do Estado, mas não pertence à mesma superintendência, também confirmou um caso.

Os primatas não transmitem a doença diretamente a doença. Assim como os humanos, eles são hospedeiros do vírus e, se picados pelos mosquitos transmissores, podem espalhar a enfermidade. Porém, mortes de macacos pela febre indicam a presença do vírus na região. Lagoa da Prata, a cerca de 100km de Divinópolis, investiga um possível caso de infecção em humano.