Scarpa reage à proposta de Willian Bigode por acordo: “Nem vem que não tem”

O meia Gustavo Scarpa, do Atlético, reagiu à proposta do atacante Willian Bigode por um acordo no caso de criptomoedas. O jogador do Atlético foi vítima de um golpe e teria perdido mais de R$ 6 milhões pelo investimento feito na empresa que tem o atacante do Santos como sócio.

Nesta semana, a ESPN publicou uma reportagem com a seguinte manchete nas redes sociais: “Willian Bigode propõe R$ 6,3 milhões de pagamento a Scarpa e disputa judicial pode estar se aproximando do fim”, diz a publicação.

Na publicação, a ESPN complementou: “A defesa de Willian Bigode diz que a quantia é ‘suficiente para quitar todos os seus débitos e ressarcir todos os seus clientes’. Gustavo Scarpa terá cinco dias para responder se aceita os termos propostos pelo atacante do Santos”.

Scarpa compartilhou a reportagem e reagiu: “Nem vem que não tem. Chamaaaa”, escreveu o jogador do Galo.

Outra reação

Nessa quarta-feira (22), o ge.globo informou que as pedras de alexandrita não têm valor para servirem como garantia no processo movido por Scarpa e Mayke, do Palmeiras, contra a Xland Holding Ltda, empresa de Willian Bigode. A defesa do jogador do Atlético pediu um laudo para estimar o valor real das pedras.

Ainda de acordo com a matéria, o documento, assinado pelo juiz federal Wendelson Pereira Pessoa, da 1ª Vara Cível e Criminal da Justiça Federal do Acre, diz que “um valor total das pedras de alexandrita manifestamente insuficiente à garantia de eventual cumprimento de sentença”.

Nas redes sociais, Gustavo Scarpa reagiu à notícia e disparou. “Para a surpresa de três pessoas. Os responsáveis por tudo isso hão de me pagar, vou até o final”.

Gustavo Scarpa e Mayke pedem, na Justiça, o bloqueio de 30% do salário do atacante Willian Bigode, hoje atacante do Santos.

Relembre o caso

Os jogadores Gustavo Scarpa e Mayke entraram na Justiça após perderem cerca de R$ 10,3 milhões em investimentos em criptomoedas, indicado pela empresa de gestão financeira WLJC, que tem o atacante Willian Bigode, do Santos, e na época no Palmeiras, como um dos sócios. Os três jogaram juntos no Verdão entre 2018 e 2021. O investimento feito para a empresa prometia um retorno de 3,5% a 5% ao mês.

Scarpa, hoje no Atlético, investiu R$ 6,3 milhões na empresa do amigo. Como não obteve retorno e resultados, ele pediu a rescisão contratual com a Xland Holding Ltda. Nessa época, Scarpa foi informado que teria o dinheiro de volta num prazo de 30 dias úteis e que o pagamento do valor investido seria reembolsado. No entanto, Scarpa não teve o dinheiro devolvido.

O lateral-direito Mayke, formado pelo Cruzeiro e que ainda atua pelo Palmeiras, viveu situação parecida. O jogador investiu R$ 4 milhões na empresa de Bigode. Pelo mesmo motivo, ele também solicitou o resgate da rentabilidade em outubro do ano passado, quando a Xland se comprometeu a pagar em até 10 dias úteis. O valor não foi devolvido até hoje.