Surto de Febre Amarela avança com mortes de macacos

Simião Castro

Depois de Tapiraí, agora é Japaraíba que tem casos de mortes de macacos em investigação para Febre Amarela na regional de Divinópolis. A ocorrência de extermínio dos animais por doença costuma anteceder surtos da febre.

Outras 11 cidades do entorno já apresentaram sinal da morte dos bichos, mas Divinópolis não está na lista. Os municípios mais próximos onde há rumor das ocorrências são Araújos e São Sebastião do Oeste.

Mas a existência das mortes não é garantia de perigo, e ainda não existe nenhum caso suspeito da doença na região. São três as categorias de classificação das ocorrências utilizadas pela Secretaria de Estado de Saúde Mineira, alinhadas à avaliação do Ministério da Saúde:

“Rumor”, quando foram encontrados macacos mortos, mas fora de condições de análise. “Em investigação”, quando é possível pesquisar as causas. E “Confirmado”, quando o exame clínico e casos humanos comprovam a Febre Amarela.

Os macacos não são os causadores da doença e não transmitem a enfermidade diretamente aos humanos, que também são hospedeiros do vírus. São os mosquitos transmissores que picam os primatas e contaminam outras espécies.

Todas as cidades afetadas até agora pela Febre Amarela registraram também mortes de macacos. Os casos, em Minas, continuam concentrados nas áreas de divisa com Espírito Santo e Rio de Janeiro. Mas já é possível enxergar avanço estado adentro.

O método mais eficaz de prevenção é a vacina, oferecida gratuitamente nos postos de saúde de todo o Brasil. Entretanto, quem já foi vacinado uma vez deve apenas procurar o reforço, e quem nunca tomou a dose precisa somente seguir o calendário normal, como explica o diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Eduardo Hage.

“A indicação é que a pessoa tome duas doses da vacina com intervalo de dez anos entre cada uma. Então dependendo da idade da pessoa, obviamente, ela completa a sua proteção contra a febre amarela tomando a primeira dose a partir dos seis meses ou nove meses de idade e repete uma segunda dose”, afirma o servidor público.

Até ontem, data de publicação do boletim epidemiológico mais recente do Secretaria de Saúde, 712 casos já foram notificados, 110 deles com evolução para morte. Deste total, 40 foram confirmadas para Febre Amarela.

O surto já atingiu 28 municípios mineiros, sendo que existem notificações e investigação em 51. Em todo o país, sete estados já registraram a doença e só o Distrito Federal descartou as suspeitas, mas a Organização Mundial da Saúde prevê que o surto deve continuar se espalhando.