TSE identifica mais de 15 mil fraudes em títulos de eleitor

Entre as eleições de 2014 e 2016, mais de 15,6 mil fraudes em títulos de eleitor foram identificadas pela Justiça Eleitoral no país. A ação foi realizada por meio do cruzamento de informações biométricas, ou seja pelo registro das digitais. Além de resultar no cancelamento das inscrições irregulares, as investigações podem acarretar ações penais.

A ação ilegal foi cometida por eleitores que foram a diferentes cartórios, se passaram por outras pessoas, e conseguiram emitir mais de um título. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o estado com o maior número de fraudes foi Alagoas, onde 2.188 títulos de eleitor foram considerados irregulares. Em seguida vieram São Paulo (1.733) e Goiás (1.503).

Dos 144 milhões de eleitores brasileiros, somente 46,3 milhões tinham cadastro biométrico nas eleições de 2016. O registro biométrico começou a ser implantado no Brasil em 2008. A meta do TSE é que todo o eleitorado esteja cadastrado até 2022.