Vídeo: Prefeita de Pitangui tem reação inesperada ao ser interceptada por pré-candidato à vereador da cidade

A Prefeita de Pitangui, Maria Lúcia Cardoso, do MDB, ganhou as redes sociais, após um desentendimento com Caio Caldas, pré-candidato à vereador no mesmo município e Coordenador Estadual do Movimento Brasil Livre (MBL).

Em um vídeo, Caio se aproxima da prefeita, indagando sobre uma condenação contra a prefeita, na chamada “lista suja” do Tribunal de Contas da União (TCU), que traz a relação de gestores públicos cujas contas foram julgadas irregulares pela Corte e, por isso, podem ficar inelegíveis nas eleições deste ano.

Maria Lúcia Cardoso (MDB) foi condenada em 18 processos transitados em julgado (sem possibilidade de recurso) entre os anos de 2016 e 2018.

Ao se aproximar da prefeita, o político a indaga sobre essas condenações e a reação foi imediata. Maria Lúcia Cardoso desfere um tapa na aparelhagem utilizada por Caio Caldas, que é atirada no chão.

Sobre a lista de políticos constantes na “lista suja” do Tribunal de Contas da União, o advogado de Maria Lúcia Cardoso, Audrey Silveira explicou, que quem divulga a lista é o TCU, mas quem declara ou não a inelegibilidade do político é o TSE no momento da candidatura.

“Não basta o nome estar na lista do TCU, é preciso que esteja configurado dolo (intenção) ou improbidade administrativa, e, no caso dela, não há isso expresso em nenhum dos 18 casos”, explicou.

Em nota, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) informou que não é a lista suja do TCU que define a inelegibilidade de um político, mas sim a análise da Justiça Eleitoral, após pedido de registro de candidatura.

Não existe controle prévio de inelegibilidade. Todos os requisitos de candidatura, incluindo se há ou não ocorrência de inelegibilidade, são verificados somente no momento da análise do pedido de registro de candidatura por um juiz eleitoral”, explicou em nota o TRE-MG.